com o nome de Liga Bahiana de Sports Terrestres (LBST) pela Federação Bahiana de Desportos Terrestres (FBDT) - atualmente Federação Bahiana de Futebol -, no dia 15 de novembro de 1904, tendo quatro clubes como fundadores: São Paulo ClubClube Internacional de CricketSport Club Victoria (atual Esporte Clube Vitória) e Sport Club Bahiano. No Jornal de Notíciasnoticiou-se assim:


No ano seguinte, em 1905, foi realizado o primeiro Campeonato Baiano. O São Paulo Club não participou do Campeonato por motivos de falta de jogadores, que foram para outros clubes. Em fevereiro do mesmo ano, o São Salvador filiou-se à Liga, que teve como campeão o Internacional de Cricket, que disputou o título contra apenas três outros clubes.

Após dois bicampeonatos, um do São Salvador e outro do Victoria,e conquistas solitárias do Santos Dumont, SC Bahia e Atlético de Salvador, o certame passou a ser organizado de forma diferente, fato que não agradou a nenhum dos clubes que o disputavam, fazendo com que estes deixassem a disputa.

Nos anos 10, 20 e 30, dois clubes dominaram o cenário estadual. Ypiranga, com 10 títulos, e o Botafogo de Salvador, com 7, conquistaram a maioria absoluta de seus troféus nesse intervalo de tempo, que ainda teve o surgimento do Esporte Clube Bahia, maior vencedor da história da disputa (apesar de ser fundado apenas em 1931), com 46 títulos, um dos maiores campeões estaduais do Brasil, tendo sido tetracampeão por duas vezes 47-48-49-50- e 81-82-83-84, além de pentacampeão 58-59-60-61-62 e heptacampeão (73 a 79), e Galícia, que tem 5 títulos do certame, tendo sido o primeiro tricampeão consecutivo da história, em 41-42-43 O Ypiranga é o clube com mais títulos de campeão baiano invicto. No total foram sete: em 1917, 1918, 1921, 1925, 1928, 1929 e 1932. Seguido pelo Bahia com 4 títulos invicto. O Ypiranga ao lado do Vitória são os únicos a conquistarem o título com 100% de aproveitamento. Isso ocorreu quatro vezes. Em 1918 disputou 8 partidas e venceu todas e em 1921 disputou 11 partidas e venceu todas. Já o Vitória conquistou em 1908, quando ainda o campeonato se chamava Liga Bahiana de Sports Terrestres (LBST), e em 2005 no formato atual.

O Vitória sem muita força no futebol estadual, passou a demonstrá-la na década de 1950, quando conquistou 3 títulos, em 1953, 1955 e 1957. Após outros títulos esparsos, passou a conquistar a hegemonia contemporânea do Campeonato a partir do ano de 1989, conquistando 70,0% (setenta porcento) dos títulos desde então, dentre eles o primeiro tricampeonato (95-96-97) e dois tetracampeonatos (2002-2003-2004-2005 e 2007-2008-2009-2010).

Bahia e Vitória são os que mantêm a hegemonia estadual há mais de 60 anos. Para se ter uma ideia desse domínio, nesse tempo, o único Campeonato que não teve um desses times como campeão ou vice foi em 1968, quando o Galícia se sagrou vencedor em cima do Fluminense de Feira, que ficou em segundo colocado. O Flu de Feira, primeiro clube do interior a disputar o certame (em 1956, chegando a final contra o Bahia e perdendo a decisão), foi campeão por duas vezes, em 1963 e 1969. O Guarany e o Leônico conseguiram ser campeões em meio a esse domínio da dupla Ba-Vi, em 1946 e 1966, respectivamente.

Além do Fluminense de Feira, apenas dois clubes do interior têm títulos baianos. O Colo Colo, em 2006, e o Bahia de Feira, em 2011. Com isso, Feira de Santana e Ilhéus são as duas únicas cidades do interior que tem time campeão baiano.

O Campeonato Baiano teve dois campeões ao mesmo tempo em duas ocasiões: em 1938, quando houve um "cisma" no futebol baiano, porque nem todos os clubes que disputaram o primeiro turno, vencido pelo Botafogo, quiseram jogar o segundo, então, a Liga Baiana de Esportes Terrestres resolveu fazer outro campeonato; e 1999, quando o título foi contestado pelo Bahia na Justiça Desportiva, alegando que o estádio do adversário, o Barradão, era pequeno demais para uma final (o regulamento determinava que o mando de campo da partida decisiva era do Vitória). Ao final, a Federação Baiana dividiu o título entre os dois clubes.

O atacante Neto Baiano igualou a marca de Cláudio Adão em 1986 (que na época jogava no Bahia) como o maior artilheiro da história do Campeonato Baiano quando marcou 27 gols em 2012, atuando pelo Vitória.

Nas edições de 2013 e 2014, o campeonato obteve o patrocínio da Chevrolet, pelo qual foram negociados os direitos de nome (naming rights). Por conta disso, o nome da competição foi denominado Campeonato Baiano Chevrolet. Após dois anos de parceria, a empresa anunciou que não mais patrocinaria o estadual a partir de 2015 (assim como os demais estaduais que patrocinava).