O Associação Desportiva Guarany é um clube brasileiro de futebol, da cidade de Salvador, capital do estado da Bahia.



Titulos

Campeonato Baiano - 1ª Divisão: 1946  Campeonato Baiano - 2ª Divisão: 1939



Dizem até que a Associação Desportiva Guarani surgiu pra homenagear o romântico escritor que foi um dos expoentes do movimento indigenista na literatura. Imaginem que disputou pela primeira vez um campeonato baiano em 1915 no cinquentenário da publicação do romance Iracema que mostra um homem branco convivendo num meio indígena.
Os personagens de um e outro são, no entanto diferentes. Enquanto um fala de Diva, da Viuvinha, de Lucíola, o outro prefere Roliço, Lamarone, Mila, Bacamarte e Camerino. Outro dia eu li um ranking de escritores(tem de tudo nos dias de hoje!) que colocava o José de Alencar mais baixo do que o Guarani, que no futebol baiano ostenta a condição de décima equipe em número de participações na Primeira Divisão, mesmo tendo disputado há 45 anos o certame pela última vez. 
Assim como nosso “Zé” teve uma vida com altos e baixos o Guarani também teve. Na sua estreia no certame baiano ficou na lanterna, voltou a Primeira Divisão nos últimos anos da década de vinte e nos anos trinta. Enquanto isso nosso herói literário vinha de Fortaleza pro Rio de Janeiro, onde marcou passo e só publicaria um romance em 1856.

E nesse terreno o   Guarani baiano é até melhor pois ganhou o título de campeão da Segunda Divisão em 1939 enquanto setenta anos antes Dom Pedro II faria uma falseta com o Zé vetando sua candidatura a senador. Pois é, essas coisas já haviam desde aquele tempo! O Guará se manteria 24 anos, 1942 a 1966,  entre os maiores clubes do futebol da boa terra, só estando ausente por duas vezes, 1954 e 1957. Três anos mais do que o Zé Alencar que morreria de tuberculose antes.
É certo que nem tudo foram flores durante a participação do Guarani pois foi lanterna do certame oito vezes, sendo inclusive “tri lanterna” (se é que isto existe!) quando o Galícia obteve o seu tricampeonato.

Mas, assim como a grande época de Alencar foi nos anos 70, quando até o compositor Carlos Gomes transformou seu romance O guarani em ópera, a do índio baiano foi setenta anos depois, durante a construção da Fonte Nova. Foi nesta fase que conquistou de forma espetacular o Campeonato Baiano de 1946 enfrentando em “melhor de quatro” a grande equipe do Ypiranga. E esta façanha foi pra comemorar o centenário de outro grande feito, a entrada de José Alencar na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro.

Esse feito histórico foi conseguido por Menezes, Bolívar e Bacamarte; Manu, Berto e Sabino; Camerino, Mundinho, Elísio, Tuta e Aurélio. Na ocasião ficou com a vice (Elísio) e o quarto lugar(Camerino) na tabela de artilheiros. Ou seja tudo nome de índio, tais como os romances que marcaram a vida do Zé, Ubirajara, Iracema e O guarani.

O Guarani estaria ainda “na crista da onda” em 1947 e 1949 obtendo o terceiro lugar nos certames, embora, no ano seguinte, voltasse para a lanterna. A Era da Fonte Nova, porém, seria a tuberculose que mataria os índios baianos.  O futebol foi profissionalizado, passaram a ser cobradas altas taxas no estádio, e o leilão dos melhores jogadores trouxe dificuldades para o clube.  A infraestrutura necessária para a prática do esporte exigiu uma gestão cada vez mais complexa.

Nos anos 1870 nosso Zé ainda publicou vários romances, Guerra dos mascates, Til, A pata da gazela, O tronco do ipê, Senhora, O gaúcho, mas eram Sonhos de ouro. Na Bahia, noventa anos depois, chegaria a Era da Televisão e das grandes audiências. A introdução dos certames nacionais e o calendário que prioriza a participação dos principais clubes dos estados. 

O golpe mortal no Guarany foi dado pela crise que assolou o futebol baiano. Não foi o clube que a provocara, nem sequer contribuíra pra ela, mas as restrições da federação e do CND e o boicote da imprensa ao Vitória atingiria decisivamente o Guarany.

O ano de 1966 foi o segundo da crise do futebol baiano. O Guarani não podia viajar pra Europa pra curar as suas feridas como fez Alencar, e por isso ainda durou mais de um ano. O início do certame baiano acentuou a crise, particularmente em função de Fluminense, Bahia, Galícia e Leônico se somarem ao boicote  com a desculpa de não jogarem no campo da Graça.

O regulamento aprovado preocupou o Guarany pois previa o descenso dos três últimos colocados na soma geral dos pontos. Estreou no dia nove de junho perdendo pro Botafogo por três a zero. Nove dias depois enfrentaria um clube do “seu tope”, o da empresa de transportes SMTC e candidato ao rebaixamento. Mas os “índios”  foram abatidos por quatro a um! A nova derrota inaugurou um clima de pessimismo no clube que o levou a perder seguidamente pro Ypíranga(0 X 3) e para o bicampeão Vitória(0 X 4).

Como o Vitória já tinha faturado o turno a FBF resolve cancelar os jogos restantes, inclusive o jogo Guarany X Estrela de Março. Este último seria o lanterninha do certame e tomaria pelo menos duas goleadas astronômicas, 10 X 0 do Vitória e 9 X 0 do Fluminense de Feira de Santana.

Mas pra azar do Guarani a crise foi resolvida após quatro meses de interrupção do campeonato. O futebol baiano estava “pacificado” mas quem estava mal ficou pior. A estreia no segundo turno durante o Natal até que valeu, com uma vitória contra o Botafogo por três a um, mas logo enfrentariam o futuro campeão Leônico, perdendo por quatro a um. A goleada abalaria o time que perderia três vezes seguidas, para Galícia, Vitória e Ypiranga. No dia 29 de janeiro a tuberculose do Guarani piorou de vez em feira de Santana ao perder do Fluminense por seis a um.

A equipe de Peri ainda consegue ganhar do SMTC por quatro a dois, e até surpreender o mundo ao empatar heroicamente com o EC Bahia em um gol. Mas pra se manter na Primeira Divisão teria que derrotar os fracos Estrela de Março e São Cristóvão. Mas a doença tinha debilitado os índios.

Veio então aquele mês fatídico de março de 1967. Conseguiram até passar pelo Estrela de Março conhecido por todo índio que se preza que se orienta pelo céu por um a zero. Mas a sina de Tupã estava marcada. E foi a sua inimiga igreja desde o tempo da Conquista portuguesa que colocou a pá de cal, o São Cristóvão vencendo de dois a um os índios.

O final do romance do futebol é que foi mais de acordo com a realidade. É que enquanto na vida os índios brasileiros sofreram um cruel extermínio no romance de Zé Peri foge com Ceci da guerra e da enchente, transformando uma árvore em  canoa. Uma metáfora da miscigenação entre índios e portugueses que teria dado início á população brasileira. Mas o Guarani não achou nem um barco na corrente da insensatez que é o futebol baiano. Foi pelo esgoto a sua primeira morte por tuberculose.

Ainda tentaria em vão voltar  á Primeira Divisão mas acabaria se licenciando. Em 1975, no centenário do aparecimento da tuberculose do Zé, voltaria o seu azar ficando em segundo lugar num certame em que só subiu o primeiro, o Redenção. A decepção levaria a nova licença que só terminaria na década de 80 quando tentou por seis vezes o Ascenso, e, por fim, em 1990, houve a sua segunda morte, passado a peixeira mesmo como convém a um nordestino.

Guarany Campeão Baianão de 1946

Clubes Participantes:

Esporte Clube Bahia (Salvador)
Botafogo Sport Club (Salvador)
Galícia Esporte Clube (Salvador)
Esporte Clube Vitória (Salvador)
Esporte Clube Ypiranga (Salvador)
Associação Desportiva Guarany (Salvador)
São Cristóvão Esporte Clube (Salvador)

Primeiro Turno:

17/04

Botafogo 2x1 São Cristóvão - Dino (2)(Bot); Novinha (SCr)

21/04

Guarany 3x1 Bahia - Camerino (2) e Elísio (Gua); Bianchi (Bah)

24/04

Ypiranga 2x1 Vitória - Joãozinho e Cacuá (Ypi); Heitor (Contra)(Vit)

12/05

Galícia 4x2 Botafogo - Americano (2), Louro e Gerson (Gal); Puruca e Durval (Bot)

15/05

Guarany 5x1 São Cristóvão - Elísio (2), Berto (2) e Camerino (Gua); Roberto (SCr)

19/05

Bahia 3x0 Botafogo - Alvinho (2) e Pipiu (Bah)

22/05

Vitória 4x2 Galícia - Jaime (2), Gringo e Siri (Vit); Gerson e Americano (Gal)

26/05

Ypiranga 2x2 São Cristóvão - Elias e Estanislau (Ypi); Roberto e Joel (SCr)

29/05

Bahia 5x1 Galícia - Fernando (3), Alvinho e Luiz Viana (Bah); Louro (Gal)

03/06

Botafogo 1x0 Vitória - Dino (Bot)

05/06

Guarany 0x0 Ypiranga

09/06

Galícia 3x1 São Cristóvão - Americano (2) e Curto (Gal); Prazeres (SCr)

12/06

Vitória 3x0 Bahia - Jaime, Joel e Gringo (Vit)

16/06

Ypiranga 1x1 Botafogo - Pequeno (Ypi); Durval (Bot)

20/06

Bahia 2x2 São Cristóvão - Gereco e Zé Hugo (Bah); Joel e Roberto (Scr)

24/06

Ypiranga 1x1 Galícia - Cacuá (Ypi); Gerson (Gal)

26/06

Botafogo 4x1 Guarany - Nivaldino, Puruca, Durval e Dino (Bot); Tuta (Gua)

30/06

Vitória 5x1 São Cristóvão - Siri (2), Gringo, Detinho e Jaime (Vit); Roberto (SCr)

06/07

Guarany 4x1 Galícia - Fubu e Elísio (3)(Gua); Curto (Gal)

06/07

Ypiranga 5x3 Bahia - Pequeno (3), Chaves e Lourenço (Ypi); Honorato, Pipiu e Gereco (Bah)

08/07

Guarany 2x0 Vitória - Camerino e Tuta (Gua)

Classificação do Primeiro Turno:

CL Times PG J V E D GP GC SG

01º Guarany 09 06 04 01 01 15 07 08
---------------------------------------------------------------
02º Ypiranga 08 06 02 04 00 11 08 03
03º Botafogo 07 06 03 01 02 10 10 00
04º Vitória 06 06 03 00 03 13 08 05
05º Bahia 05 06 02 01 03 14 14 00
06º Galícia 05 06 02 01 03 12 17 -05
07º São Cristóvão 02 06 00 02 04 08 19 -11

Segundo Turno:

04/08

Botafogo 1x1 São Cristóvão - Puruca (Bot); Joel (SCr)

07/08

Guarany 2x0 Bahia - Elísio e Bacamarte (Gua)

11/08

Ypiranga 3x1 Vitória - Pequeno (3)(Ypi); Siri (Vit)

16/08

Galícia 0x0 Botafogo

18/08

Guarany 1x0 São Cristóvão - Elísio (Gua)

21/08

Botafogo 4x3 Bahia - Titas, Lobi e Nandinho (2)(Bot); Luiz Viana (2) e Alvinho (Bah)

25/08

Vitória 5x4 Galícia - Siri (2), Gringo (2) e Tombinho (Vit); Lelé (2), Sibaúma e Americano (Gal)

28/08

São Cristóvão 2x1 Ypiranga - Novinha e Júlio (SCr); Estanislau (Ypi)

03/12

Ypiranga 4x0 Guarany - Pequeno (3) e Cacuá (Ypi)

08/12

Vitória 5x1 Botafogo - Carlito (2), Tombinho, Detinho e Gringo (Vit); Nivaldino (Bot)

11/12

Galícia 5x3 São Cristóvão - Paulo, Índio (Contra) e Sibaúma (Gal); Ismael, Novinha e Palito (SCr)

15/12

Bahia 2x1 Vitória - Fernando e Honorato (Bah); Itapoan (Vit)

18/12

Ypiranga 6x1 Botafogo - Pequeno (4), Cacuá e Dedé (Ypi); Dino (Bot)

22/12

Bahia 2x0 São Cristóvão - Evilásio e Bianchi (Bah)

26/12

Ypiranga 2x0 Galícia - Estanislau e Jonguinha (Ypi)

29/12

Guarany 1x0 Botafogo - Tuta (Gua)

01/01/1947

Vitória 4x2 São Cristóvão - Gringo (4)(Vit); Novinha e Prazeres (SCr)

06/01/1947

Ypiranga 5x3 Bahia - Macaé (Contra)(2) e Pequeno (3)(Ypi); Fernando e Evilásio (2)(Bah)

09/01/1947

Guarany 4x3 Galícia - Elias, Camerino, Berto e Tuta (Gua); Curto e Lelé (2)(Gal)

12/01/1947

Guarany 4x3 Vitória - Mundinho, Camerino, Elísio e Aurélio (Gua); Tombinho, Carlito e Dilson (Vit)

14/01/1947

Bahia 4x2 Galícia - Evilásio, Zé Hugo, Fernando e Gereco (Bah); Paulo e Americano (Gal)



classificação do Segundo Turno:


CL Times PG J V E D GP GC SG

01º Ypiranga 10 06 05 00 01 21 07 14
02º Guarany 10 06 05 00 01 12 10 02
---------------------------------------------------------------
03º Vitória 06 06 03 00 03 19 16 03
04º Bahia 06 06 03 00 03 14 14 00
05º Botafogo 04 06 01 02 03 07 16 -09
06º Galícia 03 06 01 01 04 14 18 -04
07º São Cristóvão 03 06 01 01 04 08 14 -06


Decisão do Segundo Turno:


16/01/1947

Ypiranga 2x1 Guarany - Cacuá (2)(Ypi); Camerino (Gua)

18/01/1947

Guarany 2x1 Ypiranga - Tuta e Aurélio (Gua); Chaves (Ypi)

26/01/1947

Ypiranga 3x1 Guarany - Dedé, Estanislau e Passarinho (Ypi); Mundinho (Gua)



Finais:


23/02/1947 - Primeiro Jogo:

Ypiranga 2x2 Guarany - Elísio e Camerino (Gua); Chaves e Pequeno (Ypi)

Local: Estádio da Graça
Juiz: Rui Carneiro

Ypiranga: Bonfim, Heitor e Gregório; Jonguinha, General e Raimundo; Cacuá, Chaves, Pequeno, Estanislau e Dedé.
Guarany: Menezes, Bolívar e Bacamarte; Manu, Zé do Correio e Sabino; Camerino, Mundinho, Elísio, Tuta e Aurélio.


26/02/1947 - Segundo Jogo:

Guarany 1x0 Ypiranga - Elísio (Gua)

Local: Estádio da Graça
Juiz: Antônio Bernardo

Ypiranga: Bonfim, Heitor e Gregório; Jonguinha, Aloísio e General; Cacuá, Chaves, Pequeno, Estanislau e Dedé.
Guarany: Menezes, Bolívar e Bacamarte; Manu, Berto e Sabino; Camerino, Mundinho, Elísio, Tuta e Aurélio.


16/03/1947 - Terceiro Jogo:

Guarany 2x0 Ypiranga - Mundinho e Elísio (Gua)

Local: Estádio da Graça
Juiz: Antônio Bernardo
Renda: 25.761 cruzeiros

Ypiranga: Bonfim, Lourinho e Gregório; Pequeno (Chaves), Aloísio e General; Cacuá (Passarinho), Chaves (Cacuá),
Passarinho (Pequeno), Estanislau e Dedé.
Guarany: Menezes, Bolívar e Bacamarte; Manu, Berto e Sabino; Camerino, Mundinho, Elísio, Tuta e Aurélio.



*** Associação Desportiva Guarany - Campeão Baiano de 1946 ***



classificação Final:


CL Times PG J V E D GP GC SG

01º Guarany 26 18 12 02 04 36 25 11
---------------------------------------------------------------
02º Ypiranga 23 18 09 05 04 40 24 16
03º Vitória 12 12 06 00 06 32 24 08
04º Bahia 11 12 05 01 06 28 28 00
05º Botafogo 11 12 04 03 05 17 26 -09
06º Galícia 08 12 03 02 07 26 35 -09
07º São Cristóvão 05 12 01 03 08 16 33 -17



Artilheiros:


Pequeno (Ypi) 18 gols;

Elísio (Gua) 12 gols;

Gringo (Vit) 10 gols;

Camerino (Gua) 08 gols;

Americano (Gal) 07 gols;

Cacuá (Ypi); Siri (Vit); Fernando Cacetão (Bah) 06 gols;

Dino (Bot); Tuta (Gua) 05 gols;

Joel, Novinha e Roberto (SCr); Alvinho e Evilásio (Bah); Jaime (Vit); Estanislau (Ypi); Lelé e Sibaúma (Gal) 04 gols;

Berto e Mundinho (Gua); Chaves (Ypi); Puruca e Durval (Bot); Gerson e Curto (Gal); Luiz Viana e Gereco (Bah);
Tombinho e Carlito (Vit) 03 gols;

Honorato, Zé Hugo, Bianchi e Pipiu (Bah); Louro e Paulo (Gal); Prazeres (SCr); Nivaldino e Nandinho (Bot);
Detinho (Vit); Dedé (Ypi); Aurélio (Gua) 02 gols;

Passarinho, Jonguinha, Lourenço, Joãozinho e Elias(Ypi); Bacamarte, Elias e Fubu (Gua); Titas e Lobi (Bot);
Palito, Julio e Ismael (SCr); Itapoan e Dilson (Vit) 01 gol cada.



Artilheiros Negativos:

Macaé (Bahia) a favor do Ypiranga 02 gols;

Heitor (Ypiranga) a favor do Vitória;
Índio (São Cristóvão) a favor do Galícia 01 gol cada.


Dados do Campeonato:


Período: 17/04/1946 à 16/03/1947
Campeão: Guarany
Vice: Ypiranga
Jogos: 48
Gols: 195
Média de Gols: 4,06 por partida

Maior número de pontos: Guarany, 26 pontos
Menor número de pontos: São Cristóvão, 05 pontos
Maior número de gols marcados: Ypiranga, 40 gols
Menor número de gols marcados: São Cristóvão, 16 gols
Maior número de gols sofridos: Galícia, 35 gols
Menor número de gols sofridos: Ypiranga e Vitória, 24 gols
Maior número de vitórias: Guarany, 12 vezes
Menor número de vitórias: São Cristóvão, 01 vitória
Maior número de derrotas: São Cristóvão, 08 vezes
Menor número de derrotas: Guarany e Ypiranga, 04 vezes

Artilheiros:

1º Pequeno (Ypiranga) 18 gols
2º Elísio (Guarany) 12 gols
3º Gringo (Vitória) 10 gols