Atenção Assista o Um Documentário da História do Galicia Completo No Final desta Página.
               

O Galícia Esporte Clube é um clube esportivo brasileiro, com sede em Salvador, capital do estado da Bahia, fundado a 1° de janeiro de 1933.

Um dos mais tradicionais clubes baianos, historicamente ligado à colônia espanhola de Salvador, foi o primeiro tricampeão baiano de futebol, o que é ainda motivo de orgulho para o clube e os torcedores

Titulos

Campeonato Baiano 5: 1937- 1941 - 1942 -1943 - 1968Campeonato Baiano - 2ª Divisão: 1958 - 1988 - 2013

Torneio Início 9 : 1935 - 1936 - 1939 - 1945 - 1946 - 1954 - 1957 - 1960


O Galícia Esporte Clube foi fundado em 1º de janeiro de 1933 por imigrantes espanhóis provenientes da Galícia (forma também usada no Brasil para a Galiza), com que leva no seu escudo as cores e símbolos da região. Seu primeiro presidente e um dos fundadores foi Eduardo Castro Iglesias.

O clube foi o primeiro tricampeão do Campeonato Baiano de Futebol e praticamente dominou o panorama futebolístico da Bahia durante seus dez primeiros anos de fundação, tendo sido campeão nos anos de 1937, 1941, 1942 e 1943 e vice-campeão em 1935, 1936, 1938, 1939 e 1940. Depois desse período áureo, voltou a ser campeão baiano somente em 1968, obtendo ainda quatro vice-campeonatos em 1967, 1980, 1982 e 1995.

No futebol masculino, seu melhor desempenho regional foi o vice-campeonato da Zona Nordeste do Torneio Norte-Nordeste de 1969. Nacionalmente, participou do Campeonato Brasileiro da Primeira Divisão em 1981 (25º lugar) e 1983 (43º lugar), além de disputar a Terceira Divisão entre 1995 e 1997.

Rebaixado para a Segunda Divisão do Campeonato Baiano em 1999, e após tentar, sem sucesso, retornar à Primeira Divisão nas duas temporadas seguintes, o clube licenciou-se de competições profissionais em 2002 e passou a disputar o Campeonato Baiano somente nas categorias inferiores.

Em 2006, um grupo de torcedores criou a Associação Torcedores e Amigos do Galícia (ATAG), que desde então trabalha em colaboração com a diretoria do clube com o objetivo de assessorar e dar apoio nas nas áreas patrimonial, administrativa e social.

Naquele mesmo ano, o clube voltou a participar do Campeonato Baiano profissional, após quatro temporadas licenciado. No retorno à Segunda Divisão, terminou apenas em terceiro lugar, insuficiente para conseguir o acesso, já que apenas o campeão era promovido. Em 2007, conquistou o vice-campeonato, perdendo a final para o Feirense. Em 2008 e 2009, em novas participações, conseguiu apenas o oitavo e o quinto lugar, respectivamente. Em 2010, 2011 e em 2012 mais fracassos: terminou o campeonato de 2010 na sexta posição, em 2011 na quinta posição e em 2012 terminou o campeonato novamente na quinta posição, jamais alcançando as semifinais do torneio.

Em 2013, ano do seu 80º aniversário, com uma nova diretoria, o clube conseguiu, depois de 14 anos, a voltar à elite do futebol baiano, ao conquistar o título de campeão baiano da Segunda Divisão. No mesmo ano, o clube lançou seu terceiro uniforme para a próxima temporada, confeccionado em tons de vermelho e amarelo, como forma de homenagem à Seleção Espanhola, com a confirmação de uma partida da seleção na Arena Fonte Nova na primeira fase da Copa do Mundo.


Nos primeiros anos após a fundação, o Galícia mandava seus jogos no antigo Campo da Graça. Posteriormente, passou a ter o mando de campo na Fonte Nova, e, eventualmente, no Estádio de Pituaçu, até construir o seu próprio estádio, o Parque Santiago, que tem capacidade para cinco mil torcedores.

Na temporada de 2012, os azulinos tiveram seu mando de campo no interior do estado, no Estádio Junqueira Ayres em São Francisco do Conde. Em 2013, o clube voltou sediar seus jogos em Salvador, no Estádio de Pituaçu.






Documentário da História do Galicia Completo.