A Associação Desportiva Atlanta foi fundada em 1º de Fevereiro de 1984 Conquistou o título da 2ª Divisão do Campeonato Baiano em 1987, chegando à 1ª Divisão no ano seguinte Na elite baiana, o Atlanta estreou no dia 28 de fevereiro, sendo derrotado em casa pela Catuense por 2 a 1. No primeiro turno, marcou apenas um ponto em cinco jogos. No segundo turno, foram dois pontos em quatro partidas. No terceiro turno, teve sua melhor participação, marcando seis pontos em cinco partidas e chegando ao quadrangular final do turno. No quadrangular final, a equipe perdeu as três partidas: 5 a 0 para o Esporte Clube Bahia, 7 a 2 para o Fluminense de Feira e 1 a 0 para a Catuense. No quarto turno, perdeu as quatro partidas que disputou e acabou rebaixado para a 2ª Divisão de 1989.

Titulos

Campeonato Baiano - 2ª Divisão: 1987- 2019

Após o rebaixamento, o Atlanta disputou a 2ª Divisão até o ano de 1992 Em 1993, abandonou o profissionalismo até 2000, quando retornou na 3ª Divisão, sem conseguir bons resultados Em 2008, apoiado pela empresa Doce Mel, da cidade de Ipiaú, voltou ao futebol profissional na 2ª Divisão. Devido a um tropeço no último jogo contra o Cruzeiro (que era lanterna, estava eliminado e com dois atletas a menos em campo, e mesmo assim conseguiu chegar ao empate com um gol no último minuto de jogo), ficou de fora da fase semi-final. Após um ano sabático, o Atlanta retornou às atividades em 2010 para disputar a 2ª Divisão novamente com o apoio da Doce Mel. A princípio, exigiu que o Atlanta jogasse em Ipiaú, mas como o estádio dessa cidade não atendia as exigências da FBF, o Atlanta mandou seus jogos na cidade de Jequié, sede da equipe.




O diretor-presidente do Doce Mel Futebol Clube, sediado em Ipiaú, Alípio Oliveira Júnior, rebateu matéria divulgada pelo site Bocão News com o título “Time de Ipiaú está com registro cassado e pode acabar, diz presidente da FBF”, publicada no dia 31 de janeiro e reproduzida por outros websites. Na nota; a direção esclarece:

1 – a Associação Desportiva Atlanta disputou pela última vez um campeonato organizado pela Federação Baiana de Futebol em 2010. Em 2011, decidiu encerrar as suas atividades, ano em que foi paga a última taxa para FBF;

2 – como o Clube não teria mais atividades, a partir de 2011, não teria, portanto, mais necessidade de pagar as taxas relativas aos anos seguintes;

3 – desde então, a Doce Mel passou única e exclusivamente a tocar o seu Projeto Social, onde mantém anualmente e gratuitamente 140 jovens treinando futebol, doando-lhes também material de treinamento (camisa, calção e meiões);

4 – o Projeto não tem fins lucrativos e todas as despesas são bancadas pela Doce Mel;

5 – a Doce Mel não faz contrato com nenhum dos jovens do seu Projeto Social, uma vez que a empresa não tem nenhum interesse em ganhar com a comercialização de atletas – até porque a lei não permite até 16 anos.

Quanto ao aspecto tratado no item 5 anterior, acrescente-se, que, tendo em vista as inverdades proferidas por ocasião da entrevista à Educadora pelo sr. Márcio Martins, quando insinuou, sem nenhum pudor, que o Projeto utiliza o estádio municipal para ganhar dinheiro, pressupõe-se que, sendo ele o Presidente da honrosa Associação Bahiana dos Cronistas Desportivos – ABCD, deveria dar exemplo e, inequivocamente, ter mais cuidado com o que fala, zelando por uma imprensa plural, séria e verdadeira. E a verdadeira imprensa implica que ela não seja monopólio de determinados setores, nem de determinadas formas de pensamento ou de interpretação da realidade a seu bel-prazer. Reforçando, a Doce Mel não recebe nenhum centavo, não tem nenhum contrato com quem quer que seja; muito pelo contrário, a empresa investe sem esperar nenhum retorno financeiro, e sim social e do bem-estar dos jovens do Projeto e de seus familiares.

Nota: passaram pelo Projeto desde 2010, em torno de 140 jovens por ano, sendo da faixa etária entre 8 e 17 anos e, se não fosse isso, estariam em situação de risco social. Alguns já estão treinando em times profissionais do País. O Projeto exige alguns pré-requisitos: como estar estudando e com bom rendimento escolar, apresentar comportamento social aceitável, bem como serem assíduos nos treinamentos diários. Registre-se que alguns desses jovens já estão cursando faculdades e/ou trabalhando”. Finaliza a nota enviada à imprensa.